Escrito por Cesar Camara

Normalmente 80% a 90% dos casais conseguem engravidar dentro do período de 1 ano. Assim, um casal é considerado infértil quando está há mais de um ano tentando engravidar sem sucesso.

Cerca de 30% a 50% das causas de infertilidade são decorrentes de fatores masculinos, como baixa contagem de espermatozoides, fatores que impedem a saída dos espermatozoides ou causas hormonais. Infelizmente existem poucos sintomas que podem levantar a suspeita de uma pessoa com baixa fertilidade, de modo que na maior parte dos casos o diagnóstico é realizado apenas em consulta especializada após um longo período de tentativas de gravidez.

Infelizmente existem poucos sintomas que podem levantar a suspeita de uma pessoa com baixa fertilidade

O sucesso do tratamento de um casal infértil devido a algum fator masculino, envolve uma avaliação clínica completa de todos os fatores que podem modificar o delicado equilíbrio da espematogênese. Ciclo que dura 64 dias e mais 5 a 10 dias adicionais de trânsito nos minúsculos canais que transportam os espermatozóides maduros ou em processo de amadurecimento, chamados epidídimos.

A história reprodutiva é particularmente relevante no quadro inicial do casal. Detalhes como uso de contraceptivos, gravidez prévia e tempo de infertilidade são muito importantes. O tempo e a frequência das relações sexuais e a regularidade do ciclo mentrual da mulher podem trazer informações de impacto na taxa de gravidez e podem demandar ajustes simples que proporcionam por si um bom resultado.

Algumas doenças sistêmicas podem gerar impacto negativo na fertilidade masculina, de modo que é preciso ter ciência quanto a presença de diabetes, esclerose múltipla, lesões da coluna e algumas condições aparentemente benignas como criptorquidia(testículo não descido) corrigida, endocrionopatias tratadas, histórico de caxumba e de varicocele.

Varicoceles são veias dilatadas que pela própria anatomia humana ocorrem mais à esquerda. Esses vasos provocam, entre outras alterações, elevação da temperatura testicular causando deficit de motilidade e da quantidade de espermatozóides. Dentre os indivíduos com varicocele, 70% não apresentarão qualquer problema de fertilidade, mas 30% desses indivíduos necessitarão de correção dessa condição.

Após a história e o exame físico para identificação de varicocele e outras condições testiculares e do cordão espermático, o exame mais útil e necessário para um homem infértil é o espermograma. O resultado do espermograma depende muito das condições de coleta e análise e também pode permanecer alterado por muito tempo após o uso certos medicamentos simples, o que demanda a necessidade de repeti-lo uma ou duas vezes no caso de alterações relevantes. Basicamente, o que se espera é contagem de espermatozóides superior a 20 milhões, dos quais ao menos 50% com boa motilidade, mais de 1,5ml de volume e uma boa morfologia.

Dessa forma, o espermograma pode em muito ajudar na definição da causa da infertilidade e na programação de seu tratamento. Contudo, é necessário cuidado em sua interpretação, pois até 50% dos homens inférteis podem não apresentar causas reconhecidas em uma análise básica de esperma.

Outro estudo importante é a análise endócrina. Alterações endócrinas são incomuns em homens com fertilidade limítrofe, mas podem fazer a diferença, já muitas delas podem ser causas reversíveis de fertilidade.

Vale lembrar que o uso mesmo esporádico de maconha, cocaína e androgênicos (testosterona) pode ocasionar dano permanente da fertilidade em até 20% dos homens. O uso de um medicamento para queda de cabelos chamado Finasterida, também pode causar diminuição da motilidade e quantidade de espermatozóides, mas de forma reversível quando interrompido.

Até essa fase, procuramos condições que possam ser revertidas para maximização da fertilidade masculina. Quando isso não é possível, ou não é astuto esperarmos muito tempo sobretudo por causa da idade da mulher, devemos utilizar todo esforço já realizado para maximizar a coleta de espermatozóides para um procedimento de fertilização assistida.

fonte: Cesar Câmara

Infertilidadefertilidade