A vasectomia, procedimento cirúrgico para contracepção masculina, é um método simples e seguro, mas ainda gera muitos questionamentos entre os homens. Uma questão recorrente remete à possibiloidade da perda permanente da capacidade de reprodução, que culturalmente está relacionada à própria diminuição da masculinidade.

Atualmente o método é considerado eficaz, seguro e simples, além de pouco oneroso se comparado a outros métodos anticoncepcionais.

Basicamente, a cirurgia consiste em interromper a circulação dos espermatozoides, produzidos pelos testículos e que seriam conduzidos pelo epidídimo aos ductos deferentes. Mas como seria o processo de reversão?

O processo de reversão

A reversão da vasectomia é possível, mas alguma discussão deve existir para que os pacientes tenham ciência de suas possibilidades.

Além do desejo do paciente, o médico precisa ter habilidade e treinamento nos métodos de magnificação e deve discutir ao menos três importantes situações que podem impactar negativamente na possibilidade de concepção.

Esses fatores não inteferem no sucesso da cirurgia, mas podem ser extremamente relevantes para o cálculo das chances de uma gravidez.

Mas é reversível ou não? Sim é reversível, mas ser reversível não significa propriamente em possibilidade de gestação. Com o passar dos anos a possibilidade de uma reversão associado a boas taxas de gestação diminuem e em algumas situações é necessário até mesmo o auxílio de métodos de gravidez assistidos, porque os testículos diminuem a produção de espermatozoides viaveis ao longo dos anos.

A reversão também não é um método tão simples quanto a vasectomia: são necessários microscopia, anestesia geral e habilidade cirúrgica para decidir por uma de duas técnicas principais, a vaso-vaso anastomose ou a vaso-epidídimo anastomose. Esta decisão é tomada apenas no intra-operatório, após a análise do líquido aspirado dos ductos condutores do esperma em microscópio.

Os resultados são melhores quando a reversão é realizada em até 15 anos após a vasectomia. Após os 15 anos deve-se também cogitar a realização de reprodução assistida. Antes dos 15 anos, pode-se dizer de forma simplificada se alcança 80 a 90% de recuperação da ejaculação com espermatozóides e gravidez em até 50% dos casos, quando as tentativas ocorrem entre 1 e 12 anos após a reversão. Parece pouco, mas é bastante animador quando comparado com outros métodos, muitas vezes bem mais caros e com resultados ainda inferiores.

Ademais, a reversão permite a concepção de forma natural, permitindo a seleção natural dos melhores espermatozóides até a fecundação do óvulo. Além disso, a reversão é superior aos métodos não naturais de concepção quando avaliamos os resultados (e mesmo os custos) quando o paciente tem até 15 anos de vasectomia.

fonte: http://www.cesarcamara.com.br/Informe-se/?noticia=Vasectomia_e_o_processo_de_reversao_28_09_2012

Testicularvaricocele